Lembra
Lauro Cavalcanti - Texto da exposição Frestas Lurixs, Rio de Janeiro - 2019
Para o menino maranhense Ferreira Gullar, cada objeto continha, debaixo dele, o seu nome. Um pedaço de rocha teria, gravado na terra, o seu significante, “pedra”. Sob o tronco, estaria escrito o vocábulo “árvore” e, no fundo do curso d’água, “rio”. Adulto e carioca, o poeta, a propósito desse hábito da infância, compôs o poema-objeto no qual um pequeno cubo azul, uma vez levantado da base branca, revelava a palavra “lembra”. (leia mais)
Variações
Antônio Sérgio Bessa - Texto da exposição Variações no Paço Imperial, Rio de Janeiro, 2019.
Esta exposição foi concebida como uma provocação conceitual, na qual a artista consentiu em reduzir seu vocabulário a um mínimo – tanto no que diz respeito ao formato, às cores ou aos materiais – articulando-o por meio de variações. Assim, o curador esperava tornar aparente a gramática desse processo. (leia mais)
Ensaios

Marta Mestre - Texto da exposição Ensaios na Galeria Raquel Arnaud, São Paulo, 2018.

Nos últimos 35 anos o trabalho de Elizabeth Jobim foi acompanhado de várias leituras críticas que aprofundaram o seu léxico singular e observaram persistências e rupturas que merecem ser novamente recolocadas. (leia mais)

A Constructivist Diagram: Beth Jobim’s Archaeology of Abstract Forms
Juan Ledezma - Texto da exposição In This Place, Henrique Faria Fine Art, New York - 2017
If concepts can be visual or visuality conceptual, it might be said of Beth Jobim’s recent artistic output that it provides a visual concept of disjunction. (leia mais)

    

O Lugar dos Enigmas Possíveis, Sublime Invólucro
Jorge Emanuel Espinho - Rio de Janeiro - 2015

No encontro com a obra de arte somos frequentemente remetidos a um lugar de expectativa passiva, a uma paisagem árida onde impera uma não-ação/interação meramente contemplativa, e apenas interiorizadora dos frugais conteúdos já definidos e transportados naquela obra. (leia mais)     

Avant-garde ou Kitsch?
Cecilia Cotrim - Texto das Exposições: Elizabeth Jobim: Pinturas - Galeria Parangolé, Brasília - 1994 / Elizabeth Jobim - Museu da República, Rio de Janeiro - 1993

As aquarelas e óleos de Elizabeth Jobim interrompem o curso de uma produção artística que já surge destinada ao planeta da estética. Entre cáusticos e líricos, desafiam a saturação contemporânea.(leia mais)